You are not logged in
Log in
Sign up
Welcome
Mein Name ist  Abraham Peters und ich habe unsere Familienseite gestartet.
Sie wurde mit Hilfe von MyHeritage.com erstellt, einem großartigen System, das es jedermann ermöglicht, eine Seite für seine Familie zu erstellen, gemeinsam einen Stammbaum anzulegen und Familienfotos zu teilen. Wenn Sie Kommentare oder Feedback zu dieser Seite haben, klicken Sie bitte auf hier, um mich zu kontaktieren.
Unser Familienstammbaum wurde auf dieser Seite veröffentlicht. Es gibt 23868 Namen auf unserer Seite.
Die Seite wurde zuletzt am Nov 22 2014 aktualisiert und hat derzeit 691 registrierte Mitglieder. If you wish to become a member too, please click hier.   Viel Spaß!

Go to family tree
Family news
 
View older news
News articles
Family stories:BIOGFRAFIA DE DAVID HIEBERT
Posted by: Valter Hiebert on Nov 28 2013 07:05

DAVID HIEBERT, O “RUSSO” DO BAIRRO DO GARCIA.

Ele nasceu em 08.10.1918 em Pascha-Tschokmak, Criméia, no então Império Russo, hoje uma região que faz parte da Ucrânia. A Criméia é aquele pingente que fica na parte superior do Mar Negro. A sua família era membro de uma religião evangélica denominada Menonitas, iniciada por um padre católico chamado Menno Simon, nascido em Witmarsun, Holanda, antes de 1500. Ele foi contemporâneo de Martim Lutero.

Em novembro de 1929 eram aproximadamente 13.000 menonitas que estavam nos suburbios de Moscou tentando a emigração da então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), o “paraíso comunista”, pois tinha sido proibido que tivessem uma religião, além dos confiscos, roubos, prisões e assassinatos que foram vitimas as suas famílias. Queriam sair, não importava o destino. Um deles era um menino de 11 anos, ele seria depois conhecido como o Russo do Garcia.

Daqueles 13.000 menonitas somente 3.885 conseguiram visto de saída e abrigo temporário na Alemanha, nos campos para refugiados de Möln, Prenzlau e Hamerstein. Entre eles estava a viúva Agatha Hiebert, nascida Böse, com seus quatro filhos menores. Um deles era o David Hiebert, o que viria a ser o “Russo” do Garcia. Ele tinha então 11 anos.

A família da Agatha primeiro ficou alguns dias em Hamerstein e depois em Möln até meados de 1930.

Dos 3.885 menonitas que saíram da URSS, apenas 1.200 vieram para o Brasil em 1930.

As primeiras 33 famílias desses menonitas sairam de Hamburgo em 16.01.1930 no Navio Monte Oliva tendo como destino o Rio e Janeiro. Da então capital federal pegaram outro navio até São Francisco – SC. Daquele porto até Jaraguá do Sul faziam o percurso de trem. Daquela cidade até Blumenau viajaram de ônibus. No trecho até Hamônia (hoje Ibirama) viajaram de trem.

De Hamônia até "Neu Breslau" (hoje Presidente Getúlio) o transporte foi a carroça para a bagagem, crianças e idosos, os adultos fizeram o percurso a pé.

A viúva Agatha Hiebert, mãe do menino então com 11 anos e que viria a ser conhecido por “Russo”, fez um percurso um pouco diferente com seus quatro filhos menores.

Eles embarcaram em Bremen no navio “Sierra Ventana” numa viagem que durou 18 dias até o Rio de Janeiro, tendo feito escalas em Lisboa e Ilha da Madeira.

No Rio de Janeiro ficaram retidos por dois meses na Ilha das Flores, pois naquele dias ocorria a revolução de 1930 de Getúlio Vargas.

Terminada a revolução embarcaram no navio Aspirante Nascimento que os levou até Itajaí – SC.

“De Itajaí até Itoupava Seca viajamos pelo rio acima em diversas chalupas engatadas atrás dum vapor. De Itoupava Seca até Hamonia de trem. De Hamonia ao nosso destino que era a serra Stolz Plateau nos levaram de carroças. Lá na serra ficamos a primeiro tempo numas barracas improvisadas e construídas para abrigar de 10 a 20 famílias.” (Texto redigido por Jakob Hiebert, irmão do Russo em 25.08.1974, cujo original está preservado.)

Os menonitas fundaram as colonias de Witmarsum, Waldheim e Gnadental na região denominada Krauel (o nome do Consul Geral da Alemanha no Brasil à época). Por último criaram uma vila na serra denominada "Stolz Plateau".

Os últimos menonitas chegaram na região em junho de 1934, eram 34 famílias que fugiram da Russia para a China e de lá para o Brasil. A China foi somente uma rota de fuga para menonitas que se espalharam pelo mundo. Nas tentativas de fugas muitos menonitas foram capturados e assassinados pelos comunistas da URSS.

Desde o início da colonização na região do rio Krauel vários Menonitas se mudaram para cidades do Vale do Itajaí e outras da região sul do Brasil, tais como Curitiba, Palmeira e Bagé.

Em 1950 , depois de 20 anos de muita luta e sacrifícios, os últimos Menonitas também abandonaram o "Krauel", deixando investimentos que até hoje existem, como, por exemplo, a sede da Prefeitura de Witmarsun, que era o antigo hospital dos menonitas, e várias escolas, sendo que um delas foi transformada em museu da imigração.

Existem cemitérios dos menonitas na região, com a identificação dos menonitas que faleceram no período 1930/50.

Depois de trabalhar na floresta virgem por alguns anos e ainda adolecente, o Russo do Garcia foi trabalhar na Haco da Vila Itoupava, depois foi tentar a sorte em Curitiba, onde trabalhou de jardineiro e padeiro, a seguir conseguiu emprego em Brusque, onde trabalhou na Carlos Renaux, para finalmente se fixar no Garcia, onde trabalhou na Empresa Industrial Garcia (EIG) até se aposentar em 1969.

Paralelamente ao ofício de tecelão na EIG ele fez o Curso de Rádio Técnico por correspondência na National School, de Los Angeles, California, USA.

Começou o curso em 19.08.1949 e terminou em 15.05.1951, tendo pago US$ 150,00 pelo mesmo.

Tais conhecimentos permitiram que abrisse uma oficina de consertos de rádios em sua própria residência, na então existente Rua 12 de outubro, nº 111, era a primeira rua a esquerda na rua da Glória. Essa atividade o tornou muito conhecido na região. Poucos sabiam o seu nome, todos o chamavam de Russo.

Seu expediente diário era das 5 até 13,30 horas na EIG e das 14,30 até 22 horas em sua oficina. Seus ajudantes na oficina eram as filhas e filhos.

Os consertos oferecidos não eram somente de rádios, mas também de gramofones (aqueles com manivela), radiólas, gravadores de fita (rolos enormes), relógios de pulso, despertadores, enceradeiras, e, na fase final de suas atividades, também televisores.

Oferecia também em sua casa a recarga de baterias, muito usadas por aqueles que residiam na Rua Progresso depois do cemitério, pois a partir daquele ponto não existia o fornecimento de energia elétrica.

Mas em 1962 uma nova atividade comercial mudou o foco de seu trabalho, era o surgimento de uma novidade tecnológica, era o tempo do rádio portátil.

Ele comprava lotes desses rádios em São Paulo e os revendia em Blumenau. As marcas mais comuns eram Sharp, Mitsubichi, Spica, Crown, Standart, National, Wilco e Holiday. O mais vendido era a marca Sharp. Ele era o único vendedor da grande novidade no Garcia.

Em julho de 1964 um rádio Sharp custava Cr$ 45.000,00, um Mitsubichi Cr$ 40.000,00 e um Crown Cr$ 34.000,00..

Um de seus clientes foi o Sr. Dieter Altenburg, que em 05.09.1963 comprou um rádio Sharp por Cr$ 31.000,00, tendo dado Cr$ 10.000,00 de entrada e o saldo em 3 (três) prestações de R$ 7.000,00.

Alguns de seus clientes foram:

- Nazário Moritz, comprou um Sharp em 11.12.1962;

- Walter Schulz, comprou um Scharp em 26.01.1963;

- Nilton Aguiar, comprou um Sharp em 09.03.1963;

- Oswaldo Scheifer, comprou um Sharp em 27.03.1963;

- Orlando Oliveira, comprou um Sharp em 21.04.1963;

- Francisco Oliveira, comprou um Mitsubichi em 12.02.1963;

- Anselmo Oeschler, comprou um Mitsubichi em 12.02.1963;

- Onildo Oliveira, comprou um Mitsubichi em 22.04.1964;

- Silvio Oliveira, comprou um Sharp em 24.04.1964;

- Alfredo Iten, comprou um Mitsubichi em 22.04.1964;

- Irineu Moritz, comprou um Sharp em 05.05.1964;

- Hipolito da Silva, comprou um Wilco em 09.05.1964;

- Osmar Felski, comprou um Wilco em 14.12.1964;

- Rolf Elke, comprou um National em 03.02.1965;

- Nelson Oliveira, comprou um National em 11.03.1965;

- Flávio Moritz, comprou um Sharp em 10.03.1965;

- Albrecht Papst, comprou um Crown em 06.12.1965;

- Nicolau Day, comprou um Sharp em 10.06.1966.

Além dos serviços em sua oficina, o Russo também fazia propaganda móvel com seu furgão Chevrolet 1950, tanto divulgando as festa da região, os bailes, as domingueiras, bem como propaganda comercial de lojas e campanhas políticas.

A partir de 1969 esses serviços passaram ser realizados com seu Opala 0 Km amarelo, um dos primeiros de Blumenau. O revendedor da GM o procurou e pediu para que não fizesse tal tipo de trabalho com seu automóvel, pois isso prejudicaria a imagem do lançamento da GM na cidade. Dada a insensatez do pedido o mesmo não foi atendido.

Era o Russo que por muitos anos passou os filmes no salão do Amazonas, evento que ocorria semanalmente e atraia centenas de pessoas, especialmente as crianças.

Em decorrência de seus conhecimentos em eletrônica passou a prestar tais serviços também na EIG, onde também trabalhou no laboratório da fiação e finalmente na portaria.

Ele foi casado com Anna Klassen, também nascida na Ucrania, mas em outra região. Tiveram sete filhos, os primeiros 5 (cinco) nasceram na sua casa em parto realizado pela Schwester Martha, os dois últimos nasceram em maternidades de Blumenau.

Sua primeira filha era Rosita Hiebert, nasceu em 1942, trabalhava na EIG quando faleceu com 19 anos.

A segunda filha era Irene Hiebert, nascida em 1943, que casou com Harry Kertischka, também trabalhou na EIG, teve os filhos Andréia, Simone e Ricardo. Ela faleceu em 2007 em Blumenau.

O terceiro filho foi Valter Hiebert, nasceu em 1946, trabalhou na EIG de 1962 até 1965, depois foi Sargento do Exército até 1977, a seguir trabalhou no Banco Central do Brasíl em Brasília de 1977 até 1994, onde chegou a Consultor Chefe, na seqüência, em 1994, foi assessor do Ministro da Seplan, em 1995 foi nomeado Vice Presidente da Caixa Econômica Federal, em 1997 foi nomeado Vice Presidente da Companhia Brasileira de Securitização – Cibrasec, onde se aposentou em 2005. Paralelamente foi professor na PUC de Brasília por 15 anos e em cursos de pós graduação da FGV em Brasília por 9 anos. Hoje está aposentado em Balneário Camboriú – SC.

O quarto filho foi Carlos Jorge Hiebert, nascido em 1948, trabalhou na EIG e hoje atua com construtor em Blumenau.

O quinto filho foi Adolfo Hiebert, nascido em 1954, começou a trabalhar na EIG em 1970 onde permanece até a presente data na agora denominada Coteminas. Ele é formado em Química pela Furb e exerce a função de Gerente naquela empresa.

O sexto filho foi Ivo Hiebert, nascido em 1959, formado em Contabi.idade pela EFSC, é professor da Univali e trabalha como Fiscal da Secretaria de Finanças de SC em Itajai, onde reside.

O sétimo filho foi Alex Hiebert, nasceu em 1964, é engenheiro civil formado pela UFSC, atua e reside em Blumenau, sendo também Pastor da Assembléia de Deus.

O Russo se aposentou na EIG em 1969, tinha então 50 anos, planejara dedicar, a partir de então, todo o seu tempo nas atividades comercias e publicidade.

Contudo, poucos meses depois de aposentadoria foi vitima de um tumor no cérebro, mesmo com cirurgia e radioterapia mostrou-se incurável.

O Russo de muitos amigos, muito conhecido no bairro, admirado por sua inteligência, integridade e honestidade terminou seus dias em 20.08.1970, no Hospital Santa Isabel de Blumenau. Ele tinha somente 51 anos de idade.

O saudoso “Russo” foi e será sempre motivo de muito orgulho e respeito de todos os seus descendentes.

DAVID HIEBERT, O RUSSO DO GARCIA, VEIO DE TÃO LONGE, ANDOU POR VÁRIAS CIDADES, MAS ESCOLHEU BLUMENAU PARA PARADEIRO DEFINITIVO. ELE ESTÁ SEPULTADO NO CEMITÉRIO DA RUA PROGRESSO, AO LADO DE SUA ESPOSA ANNA HIEBERT, NASCIDA KLASSEN.

TERMINO ESSE RELATO COM OS OLHOS MAREJADOS, ESCREVI UM POUCO DO MUITO QUE SEI DE MEU MAIOR HERÓI, DE MEU ETÉRNO IDOLO.

HOMENAGEM DE VALTER HIEBERT, CUJOS FILHOS CHAMAM-SE TAMBÉM DAVID E ANNA

Essa biografia, adicionada de fotos, foi publicada em blogs e jornais eletgrÔnicos de Santa Catarina. Uma foto onde aparece com seu filho Adolfo na oficina de rádio na rua 12 de outubro e um resumo dessa biografia foram publicados na edição de 14.11.2013 do Jornal de Santa Catarina.

0 Comments|1 View|View full article
Other:A migração dos Hiebert e Klassen desde 1500
Posted by: Valter Hiebert on May 6 2012 09:32

Quem são os "menonitas baixo-alemão"?

Os" menonitas baixo-alemão" são descendentes de anabatistas / menonitas que se estabeleceram no norte da Polônia desde o início dos anos 1500 aos anos 1600.

A maioria dessas pessoas eram da Holanda, com grandes proporções vinda da Suíça e Alemanha.

Em 1772 uma grande parte da Polónia foi dividida, sendo que a região onde a maioria dos menonitas vivia passou a ser da Prússia.

Uma segunda divisão colocou quase todos os menonitas em território prussiano. A maioria destes menonitas viviam na província de Prússia Ocidental.

O governo da Prússia era altamente militarista, o que colidia com o pacifismo dos menonitas, que recusavam a prestaçao do serviço militar.

Eventualmente, o governo da Prússia somente autoriza a aquisição de novas terras pelos menonitas caso aceitassem a prestação do serviço militar.

Uma vez que os menonitas não podiam adquirir novas propriedades, sem desistir de seu pacifismo, muitos optaram por abandonar o território da Prússia.

Entre 1788 e 1820 cerca de um terço dos menonitas da Prússia mudou-se para o sul da Rússia (na época conhecida em alemão como Sud Russland, agora conhecida como a Ucrânia) 9Junto foram os Hiebrt, Klassen, Böse, Kasper, etc).

Depois de algumas gerações na Russia começaram a surgir problemas, a primieras foram menores, mas culminaram com o assassinato, estupro, genocidio, desapropriação etc, de milhares de menonitas.

Além da escassez de terras os menonitas estavam sob pressão por parte do governo russo para assimilar na sociedade russa (que incluía a adesão à militar).

Como resultado um grande número de menonitas começaram a deixar a Rússia em 1874.

Na década seguinte cerca de um terço dos menonitas da Rússia havia se mudado para a América do Norte.

A maioria dos alemães menonitas na América do Norte são descendentes daqueles que viviam na Rússia, mas muitas vezes são , erradamente, referidos como os menonitas russos.

Este grupo é conhecido como "os menonitas baixo-alemão" porque durante seus mais de 200 anos na Polónia / Prússia eles desenvolveram seu próprio dialeto germânico, conhecido como "Plaut Dietsch", também conhecido como "Platt Deutsch" em alemão, ou"baixo-alemão" em Inglês.

Esse idioma ainda é falado pelos descendentes dos menonitas no Brasil.

2 Comments|52 Views|View full article
Visits
0018131
 
Loading...
Loading...